Ariel Bentes; 26/03/2020 às 17:20

Obvious Agency: um posicionamento necessário

Marcela Ceribelli, CEO da agência, conversou com o Portal Mercadizar sobre desafios e o mercado publicitário

Fundada em 2015, a Obvious Agency é uma plataforma que trabalha com narrativas femininas trazendo “novas imagens e representações simbólicas das mulheres”, através da arte, direção criativa, conteúdo editorial de moda, vídeos e fotografias que tragam felicidade feminina. Com mais de 300 mil seguidores no Instagram, dois podcasts, uma newsletter e muito mais, a Obvious é, além de uma agência de publicidade e marketing, uma plataforma com um discurso e um posicionamento que já tornou-se a sua marca. 

Foto: Reprodução/ Internet

Em entrevista ao Mercadizar, Marcela Ceribelli, diretora criativa e CEO da Obvious Agency, falou sobre os desafios da agência, representatividade feminina, diversidade dentro da equipe e o mercado publicitário. Confira a entrevista na íntegra abaixo:

Mercadizar: Da criação da Obvious em 2015 até hoje, quais mudanças vocês observam tanto na publicidade em relação às mulheres quanto no movimento de mulheres propriamente dito?

View this post on Instagram

Qualquer mina no bloco é sua amiga #carnavalobvious 🤝

A post shared by Obvious (@obviousagency) on

Marcela: A Obvious foi fundada em 2015, mas para mim ela é um resultado da primavera feminista que aconteceu em 2013. De 2015 a 2016 a gente teve uma evolução muito grande, mas eu estou muito frustrada com o nosso último ano. A gente tem um contexto político hoje onde estão falando coisas absurdas sobre uma jornalista, uma direita que só cresce… então, assim, eu acho que a Obvious nunca foi tão necessária. Eu pensei que em algum momento o nosso discurso fosse virar um lugar comum e eu torcia para que isso acontecesse, mas hoje ele ainda é totalmente necessário. 

Mercadizar: Quais os principais desafios que vocês enfrentam em decorrência do posicionamento da empresa? 

Marcela: Tem um momento complicado para as marcas que é o medo de se posicionar. Algumas nos procuram e dizem ‘Eu não quero estar no meio do feminismo’ e tratam o termo como se fosse um palavrão. Além disso, se você for uma mulher em uma mesa de reunião, você já está perdendo, pois é um lugar que infelizmente os homens ainda mandam e nós precisamos mudar drasticamente quem são as pessoas que estão no topo. 

Mercadizar: Como vocês conciliam o posicionamento da Obvious com o dos clientes? 

View this post on Instagram

muito boa noite, @brunamarquezine @pumabrasil 💫

A post shared by Obvious (@obviousagency) on

Marcela: Nós temos um posicionamento muito claro para o mercado e os clientes que vem até a gente, na sua grande maioria, já querem falar com o público feminino e entendem que a gente tem um discurso super progressista em relação às mulheres, que foi construído através da nossa própria marca. Hoje, a Obvious já está muito bem posicionada para o mercado e, amém, porque isso foi um grande trabalho e no início vinham coisas absurdas. 

Mercadizar: Mas já aconteceu de vocês recusarem algum cliente por causa do posicionamento da agência? 

Marcela: Um exemplo que eu posso dar é de uma marca que cometeu um grande erro em uma campanha do Dia dos Namorados. Eles nos procuraram querendo uma proposta de reposicionamento e eu perguntei o que aconteceu após o erro: ‘Vocês mudaram a equipe? Como vocês evoluíram dentro da empresa?’. 

Eu sou totalmente contra a cultura do cancelamento, mesmo que para marcas que erraram muito feio, pois eu acredito que as pessoas têm que ter oportunidade de aprender. Eles me responderam dizendo que não fizeram nada e que não viram nada de mais no ocorrido. Eu agradeci o convite e recusei, pois a Obvious não poderia ser o agente da mudança deles. Se eles quisessem fazer um trabalho interno e entenderem por que aquela campanha era errada, rever a postura da empresa e se posicionar para o mercado de outra forma, aí a Obvious poderia ajudar. Mas esse não era o caso e nós não íamos deixar eles nos usarem como ‘trampolim do feminismo’.

Mercadizar: Isso também se dá na seleção e na contratação de novos funcionários? Vocês utilizam algum critério para ter mais diversidade dentro da própria equipe da Obvious?

Marcela: A gente sempre tá procurando pessoas com os mesmos valores, mas isso não é tão difícil pois nós temos uma equipe que é 99,8% feminina e isso acontece quase que naturalmente. Quando as pessoas entram a gente faz uma imersão para passar esses valores e deixar tudo claro. 

Já sobre a diversidade, a nossa prioridade são as mulheres negras. Foi muito valioso para mim ouvir a Michelle Obama dizendo que quando ela tava em um escritório de advocacia os donos diziam ‘A gente não consegue contratar mulheres negras porque elas não estão nas melhores escolas’ e ela disse para eles: ‘Então vocês terão que parar de procurar só em Harvad e Yale’. 

As pessoas dizem que querem ter uma equipe diversa mas só querem o cara que acabou de ganhar Cannes. E eu te garanto que qualquer pessoa trabalhando, imersa, se dedicando, consegue ser tão boa quanto aquela que estudou em uma grande universidade. Por isso, hoje eu prefiro priorizar uma pessoa que tem muito interesse e possui os seus próprios projetos, do que uma pessoa que estudou anos fora do Brasil.

Mercadizar: Após a fundação da Obvious, vocês observaram um crescimento da representatividade das mulheres na publicidade? Tanto nos comerciais, por exemplo, como dentro das próprias agências. 

Marcela: Sim, mas ainda é muito distante do que eu acredito ser o ideal. Eu ainda encontro pouquíssimas mulheres na área da criação. As mulheres são o maior potencial de compra no mercado. Então você tem homens produzindo campanhas publicitárias para as mulheres comprarem e eu me pergunto ‘Por que?’. O que eu escuto muito é que os donos das agências não contratam muitas mulheres pois, segundo eles, elas não tem um portfólio tão legal quanto dos homens. Mas como ela vai ter um portfólio legal se ninguém dá uma chance para ela? Alguém tem que ceder.

Podcasts e o futuro da Obvious Agency 

Mercadizar: Como ocorreu a criação dos podcasts da Obvious?

Marcela: O Renato, meu sócio, trouxe a ideia do podcast. O Youtube da empresa nunca tinha rolado muito bem e não era um lugar onde tínhamos comunidade. Honestamente a gente estava com muita vontade de fazer e não tínhamos dimensão do que ele iria se tornar. 

Hoje nós já temos mais de 1 milhão players e já somos um dos maiores podcasts do Brasil. Com eles nós conseguimos mostrar que o nosso discurso é verdadeiro e que isso são coisas que a gente fala no nosso dia a dia. Acho que o podcast é um produto grande nosso e que eu acredito muito e com certeza vai ser o lugar onde vai estar a nossa maior energia durante este ano.

Mercadizar: O que a Obviou espera para o futuro? 

Marcela: O que eu quero é que a Obvious aumente os canais dela, que vá além do Instagram. Ano passado fizemos uma gravação de podcast ao vivo, então gostaria de encontrar mais com as pessoas no offline. Eu espero que nós sejamos uma comunidade cada vez maior e que as marcas estejam cada vez mais inseridas nesse contexto e acreditando no que a gente está fazendo.

Para saber mais sobre a Obvious, acesse o link aqui e ouça o Bom dia, Obvious e Confia na Quarta.

*O Mercadizar não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.