Adeus Coringa e olá girl gang

Por
Ana Luiza Teixeira
Há 7 meses atrás
Quem é Ana Luiza Teixeira?

Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Pará (UFPA). Amante de cultura pop, vê séries até demais e como boa millennium tuiteira ávida.



O novo longa da DC, Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa, é o primeiro filme de super heróis sendo protagonizado por um grupo totalmente feminino. Margot Robbie, além de estrelar o filme, também o produziu fazendo questão de envolver mulheres em vários aspectos da produção, tendo o roteiro escrito por Christina Hodson e a direção sob o comando de Cathy Yan.

Robbie foi quem fez questão de trazer para o lado de Arlequina algo que muitas vezes é negado às mulheres em filmes de ação: outras mulheres ao seu lado. E o grupo escolhido foi o Aves de Rapina.

Ao se falar da personagem Arlequina, os fãs de quadrinhos a associam a outro grupo feminino, as Gothan City Sirens, que é composto pelas anti-heroínas mais infames de Gothan: Arlequina, Hera Venenosa e Mulher Gato. Mesmo que nas telonas elas nunca tenham aparecido juntas, Margot Robbie julgou que as três já eram amplamente conhecidas pelo grande público, por isso, ela quis dar a vez para outras personagens não tão conhecidas.

No filme, como o antigo título Aves de Rapina e a Emancipação de Arlequina indica, temos a libertação da personagem do relacionamento tóxico com o Coringa. Agora ela precisa redescobrir quem ela é depois de ter mudado tanto para ficar ao lado do Príncipe Palhaço do Crime. Agora ela precisa redescobrir quem ela é depois de ter mudado tanto para ficar ao lado do Príncipe Palhaço do Crime. Além disso, Arlequina se vê alvo de todo mundo que um dia já prejudicou, pelos mais diversos motivos. E o principal deles é o vilão Máscara Negra, Roman Sionis interpretado por Ewan McGregor, que se destaca no papel do vilão louco. 

Só que ela não é a única mulher em Gothan buscando a sua emancipação. Todos os personagens do filme estão presos em algo, à procura de sua libertação. A cantora Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell) trabalha para o sádico Máscara Negra por achar que não tem escolha, uma mistura de necessidade e medo. Renne Montoya (Rosie Perez) é uma detetive que trabalha duro cujo chefe (ex-parceiro) rouba o crédito de suas realizações. Caçadora (Mary Elizabeth Winstead) é uma assassina que busca vingar o assassinato brutal da sua família. E a batedora de carteiras Cassandra Cain (Ella Jay Basco), uma órfã que tem o azar de roubar a pessoa errada. Como todas elas se tornam alvos do vilão sádico Máscara Negra, elas se unem para derrotá-lo e Arlequina se torna a líder.

O interessante ao contar a história de várias mulheres é perceber o quanto a misoginia afeta as suas vidas diárias, desde Arlequina, que é reduzida ao papel de namorada do Coringa, até Renne Montoya que, mesmo trabalhando mais que os homens, nunca recebe as promoções merecidas. Há uma exploração da violência contra as mulheres e ao mesmo tempo uma certa sutileza, quase como uma piada interna em certos momentos. Mesmo que a narração do filme venha com o caos próprio da Arlequina, as cenas de misoginia e violência contra a mulher são algo que qualquer mulher pode reconhecer claramente como realidade.

É uma experiência um tanto que catártica ver esse grupo de mulheres se empoderando para se libertarem de suas amarras, ajudando uma às outras e também dando a porrada merecida nos vilões em coreografias muito bem feitas. Coreografias estas que, especialmente na cena do carrossel, vão além de mais uma cena de pancadaria para mostrar união e sintonia delas como uma equipe feminina.

A girl gang de Aves de Rapina foi além das telonas, junto ao filme foi liberada também sua trilha sonora. O álbum com quinze músicas é todo constituído de artistas femininas, contando com músicas originais e covers. O produtor priorizou trazer talentos emergentes e com canções que espelham a jornada da Arlequina. O que resultou num álbum cheio de empoderamento feminino com letras e temas provocadores; com artistas de diversos gêneros como Halsey, Normani, Megan thee Stallion, Maisie Peters, a própria Canário Negro Jurnee Smollet-Bell, entre outras.

O design do filme é primoroso. Em Aves de Rapina vemos uma Gothan diferente, longe de mansões e arranha-céus. É a Gothan das bodegas e sarjetas, suja e sombria mas com o colorido próprio da Arlequina. O figurino do filme é o sonho de qualquer cosplayer, foge do olhar masculino e consegue juntar praticidade e estilo. O figurino de cada personagem tem seu charme único, incluindo o dos vilões. 

Em meio a esse novo momento do Universo Estendido DC (DCEU), em que cada filme apresenta seu próprio universo, Aves de Rapina cumpre seu papel muito bem. É um ótimo filme pipoca para encher os olhos com as cenas de ação e que não tem medo de ser uma produção para adultos com bastante pancadaria, momentos engraçados e girl power.

*Essa e outras matérias da Revista Mercadizar você encontra neste link.


Essa é uma opinião do autor e não do Portal Mercadizar.


*O Mercadizar não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.