Patrícia Patrocínio; 22/10/2021 às 14:00

#MercadizarExplica: Métodos contraceptivos disponíveis

Você sabe a diferença entre os métodos contraceptivos?

Embora existam diversos métodos contraceptivos disponíveis no mercado, muitas pessoas ainda possuem dúvidas sobre o tema. Segundo dados do Guttmacher Institute, estima-se que, no Brasil, a falta de acesso a esses métodos afeta aproximadamente de 3,5 a 4,2 milhões de mulheres cis em idade reprodutiva. 

De acordo com historiadores, os egípcios foram a primeira civilização a fazer uso desse tipo de contracepção. Na época, eram utilizadas esponjas e tampões vaginais encharcados com substâncias que neutralizavam os espermatozoides. Com o passar dos anos, a necessidade de métodos contraceptivos mais seguros e de fácil utilização iniciou a busca pelo desenvolvimento de novos modelos para tal função. 

Atualmente, estima-se que existam mais de 20 métodos contraceptivos classificados como de barreira, hormonais e cirúrgicos, que são capazes de evitar gravidez e/ou infecções sexualmente transmissíveis (IST’s). Em entrevista ao Mercadizar, a ginecologista Pâmela Duarte explica sobre qual o método mais eficaz dentre essas opções:

“Quando falamos em eficácia de métodos contraceptivos, é crucial lembrarmos dos LARCS! Os LARCS são os métodos de longa duração que não dependem do uso diário da mulher ou do casal, e isso dá uma segurança e autonomia muito grande às mulheres de todas as faixas etárias, inclusive às adolescentes que estatisticamente costumam esquecer o uso diário das pílulas anticoncepcionais. Os LARCS incluem: DIUS não hormonais ou hormonais e o implante (implanon), são métodos com a mesma segurança que uma laqueadura tubária ou até menor taxa de falha e que são reversíveis, pois além de durar de 3 a 10 anos a depender de qual for escolhido, eles podem ser retirados a qualquer momento e a fertilidade feminina é imediatamente restabelecida.” 

Conheça quais métodos contraceptivos e suas classificações:

Métodos de barreirassão aqueles que evitam a entrada do esperma no útero.  

Quais são eles?

  • Preservativo peniano e vaginal 
  • Diafragma 
  • Espermicidas 
  • Dispositivo Intrauterino, o DIU 

Métodos hormonais – são os que controlam ou interrompem a ovulação, evitando apenas a gravidez. 

Quais são eles?

  • Anticoncepcional oral e injetável 
  • Anel vaginal 
  • Adesivos cutâneos 
  • Implante contraceptivo 

Métodos cirúrgicos – são aqueles que impedem definitivamente o contato do espermatozoide com o óvulo, evitando a gravidez, mas não prevenindo as infecções sexualmente transmissíveis. 

Quais são eles?

  • Vasectomia 
  • Laqueadura 

A importância da camisinha

Apesar dos inúmeros métodos conquistados pela ciência, o preservativo continua sendo o único contraceptivo capaz de prevenir gravidez e infecções sexualmente transmissíveis, seu uso é de extrema importância, até mesmo com parceiros sexuais fixos e de longa data. 

Sobre isso, a Dra. Pâmela Duarte aponta: “o preservativo, seja ele masculino ou feminino, e aí também incluo o Dental Dam ( um acessório odontológico que podemos usar como preservativo para prática de sexo oral) são fundamentais pra que ‘todes’ possam gozar de uma saúde sexual saudável, pois protege contra a maior parte das infecções sexualmente transmissíveis. Lembrando que é importantíssimo ter essa consciência e estarmos prevenidos com nossos preservativos ao nosso alcance para não colocarmos no outro a responsabilidade da nossa autoproteção no ato sexual.” 

Descoberta recente para os homens cis e mulheres trans

Até o momento, métodos para homens cis e mulheres trans são limitados a preservativos, abstinência ou vasectomia. Culturalmente, a tendência é se pensar na contracepção como uma responsabilidade apenas de mulheres cis e homens trans. No entanto, é importante destacar que a responsabilidade, tanto da proteção, quanto da falta dela, é de todos, independente do gênero e do método.

Recentemente, a pesquisadora alemã, Rebecca Weiss, desenvolveu o método “COSO”, uma técnica rápida e indolor que usa o ultrassom para paralisar temporariamente o movimento dos espermatozoides. O efeito pode durar meses e ainda não foram registrados efeitos colaterais.  

A pesquisadora que após um câncer no colo do útero possivelmente causado pelo uso frequente de pílulas anticoncepcionais, passou a procurar alternativas pela falta de métodos contraceptivos para os homens. Em seu discurso para o  prêmio James Dyson Award, ela explicou: “O problema não é exclusivamente meu. Afeta muitas outras também. Portanto, decidi lidar com o desenvolvimento de uma nova abordagem anticoncepcional para homens em minha tese de mestrado em Desenho Industrial na Universidade Técnica de Munique”.

Você é o ponto de partida!

Cada corpo é um universo específico e singular. Por isso, na hora de escolher o seu método contraceptivo, baseie-se na sua experiência junto ao conselho profissional. 

Antes de escolher qual método usar, consulte um ginecologista!

 

*O Mercadizar não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.