Por Nayá Costa; 13/11/2019 às 10:57

A reputação das mídias como fonte de informação após as “fake news”

As mídias on-line enfrentam maior dificuldade em relação à credibilidade com o público segundo pesquisas

Após o fenômeno das fake news, as mídias sofreram mudanças para se adaptar e manter sua credibilidade com o público. Como saber se uma notícia é falsa ou não? Este questionamento paira sobre os leitores, que se sentem inseguros sobre as informações que recebem, principalmente quando se trata da mídia on-line.

Uma pesquisa realizada no Brasil, Estados Unidos, Reino Unido e França pelo site Kantar mostrou que a reputação das mídias impressas, canais de TV e rádios é muito maior comparado às mídias on-line. A dificuldade em acreditar nos veículos menores é maior ainda, pois segundo a pesquisa, a falta de cobertura e popularidade afetam diretamente na credibilidade. 

Segundo o Trust in News, noticiários impressos, canais de rádio e TV e sites de veículos já consolidados na mídia off conseguem transmitir notícias “verdadeiras”, segundo o público. Quando perguntados sobre sites de notícia exclusivamente on-line, a porcentagem diminui. Um ponto importante no estudo é sobre o compartilhamento de notícias entre amigos e familiares pelas redes sociais, que é visto por 47% dos participantes com alta incidência de manipulação. 

O tradicionalismo do impresso ainda é preferido por boa parte da audiência, mas apesar disso, ainda surgem questionamentos sobre a veracidade ou não das notícias lidas. 

O desafio das organizações

A Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE) realizou o estudo “Fake News: Desafios das Organizações” a fim de compreender as estratégias adotadas quando se trata das fake news. Mesmo fora do planejamento estratégico de 67% das empresas, há uma grande preocupação com o assunto. No entanto, segundo o estudo, o problema é menosprezado por ser “facilmente controlado”. 

Segundo Hamilton Santos, diretor geral da ABERJE, as fake news são parte do cotidiano jornalístico e alimentam o conflito de opiniões, sendo assim, devem ser encaradas sem medo. Portanto, inseri-las no planejamento estratégico pode ser um bom plano para aumentar a credibilidade e manter a imagem empresarial limpa.

Apesar da população em geral continuar vendo o jornalismo como base da democracia e do acesso à informação, fica claro que para se consolidarem, as mídias on-line precisam amplificar o público e se mostrarem transparentes. A profundidade também é cobrada pelo público, que se mostra mais exigente ao exigir dados e apuração maiores, para assim credibilizar uma notícia.

*O Mercadizar não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.